Rondônia, 18 de Agosto de 2019
MUNDO

Brasil ocupa o 50º lugar em qualidade de vida digital, diz InterNations

Fonte: Assessoria
  • Brasil ocupa o 50º lugar em qualidade de vida digital, diz InterNations
Por BBC


"Conheça lugares que atraem pessoas do mundo todo com inovação, serviços online e um estilo de vida digital. Brasil está no final do ranking, em 50º lugar de 68 países".


A conectividade está mudando a cultura em todo o mundo e, em muitos países, a internet já é parte integral do dia-a-dia. Internet de alta velocidade, acessibilidade móvel e pagamentos sem papel-moeda impulsionam cada vez mais a economia global, e alguns países estão fortemente inclinados a esse futuro digital.

Quais países oferecem melhores serviços baseados em tecnologia de ponta? A InterNations - uma empresa de rede social para imigrantes - divulgou recentemente um relatório chamado "Digital Life Abroad" (Vida Digital em outro país, em tradução livre).

O material classifica os países para expatriados com base na disponibilidade de serviços governamentais online, a facilidade de obter um número de celular local, a disponibilidade de internet de alta velocidade em casa, facilidade de fazer pagamentos sem dinheiro físico e acesso aberto à internet.

O Brasil está em 50º lugar no ranking do InterNations - dentre 68 países avaliados. Conseguir uma conexão de internet rápida em casa e um número de telefone local são os quesitos nos quais o país se sai pior, em 62º e 60º lugar, respectivamente.

Em termos de qualidade de vida digital, o Brasil está abaixo de países como a Sérvia (44º lugar), a República Dominicana (45º) e o Cazaquistão (48º).

A reportagem da BBC Travel falou com residentes dos países que estão no topo do ranking da InterNations. Eles contam como é viver em um país altamente conectado.


Estônia

1º lugar no ranking geral

Classificada em primeiro lugar geral na pesquisa InterNations (com primeiro lugar nas categorias de acesso irrestrito à internet e serviços governamentais on-line), a Estônia investiu pesadamente em sua infraestrutura digital desde que se tornou independente da União Soviética, em 1991.

O programa governamental e-Estonia introduziu inovações como o voto eletrônico, programas de saúde e de acesso à rede bancária por meio da internet.

A Estônia possui inclusive uma modalidade de 'residência eletrônica': até mesmo não-cidadãos podem pedir uma 'residência virtual' que lhes dá direito a benefícios como carteira de identidade, serviços bancários, processamento de pagamentos e capacidade de formar uma empresa.

O programa hoje é voltado para atrair os nômades digitais e empresários estrangeiros que desejam iniciar uma empresa com sede na União Europeia - o que, por sua vez, traz novas oportunidades para a economia da Estônia.

"O acesso à internet é considerado um direito humano básico na Estônia. Mesmo nas remotas ilhas estonianas, como Saaremaa, há acesso à internet", diz a empresária austríaca Alexandra Nima, que hoje vive na capital estoniana Tallinn. "Tudo aqui é feito o mais rápido possível, desde registrar-se como residente até abrir uma empresa online", diz ela.

O modo de vida conectado do país faz com que até chamadas telefônicas estejam se tornando ultrapassadas. "É muito mais fácil pedir algo por meio de um chat", diz Tarmo Annus, morador de Tallinn. Tarmo é desenvolvedor de uma plataforma de criptografia chamada Obyte.

"Em vez de ligar para uma loja, se ela estiver aberta durante as férias, eu simplesmente escrevo para ela no [aplicativo de mensagens] Viber", conta ele.
  • Brasil ocupa o 50º lugar em qualidade de vida digital, diz InterNations