Rondônia, 25 de Novembro de 2020
MUNDO

Os 'anéis de fadas' e outros mistérios do deserto mais antigo do mundo

Fonte: Assessoria
  • Os anéis de fadas e outros mistérios do deserto mais antigo do mundo
Por BBC


Localizado ao longo da costa do Atlântico, no sudoeste da África, o deserto da Namíbia é um dos mais secos do mundo.

Sua paisagem – formada por dunas de areia, montanhas escarpadas e planícies de cascalho – se estende por cerca de 81 mil quilômetros quadrados, atravessando três países: Angola, Namíbia e África do Sul.

Com pelo menos 55 milhões de anos, é considerado o deserto mais antigo do mundo – o Saara, para efeito de comparação, tem "apenas" de 2 milhões a 7 milhões de anos.

Com as temperaturas atingindo rotineiramente 45°C no verão durante o dia, e podendo cair para abaixo de zero à noite, também é um dos lugares mais inóspitos do planeta.
Mas, ao longo do tempo, um número surpreendente de espécies se adaptou para chamar esta maravilha árida de lar – e, durante este processo, deu origem a um fenômeno geomórfico que intriga especialistas até hoje.


Animais adaptáveis

As partes mais áridas do deserto têm uma média de apenas 2 mm de precipitação por ano. Em alguns anos, algumas partes não recebem uma gota de chuva sequer.

Mas, como se fosse uma miragem, é possível avistar animais correndo pelo deserto, como órix, gazelas, guepardos, hienas, avestruzes e zebras, que se adaptaram para sobreviver nessas condições adversas.

Os avestruzes aumentam a temperatura do corpo para reduzir a perda de água; as zebras das Montanhas de Hartmann são escaladoras ágeis que se adaptaram ao terreno acidentado do deserto; e o órix é capaz de sobreviver por semanas sem beber água, ao se alimentar de vegetais ricos em água, como raízes e tubérculos.
  • Os anéis de fadas e outros mistérios do deserto mais antigo do mundo